Nosso primeiro encontro foi, junto com Vinicius, na casa de um amigo em Paris. Fiquei espantado ao descobrir que, além da combinação tempo-contratempo, ele tinha os segredos de mil possibilidades rítmicas até então desconhecidas para mim.

 

Anos depois, tocando juntos na casa dele, na Barra da Tijuca, descobri outro Baden. O Baden amigo, um homem que não é apenas um excelente compositor e um excepcional violonista, mas um "gênio selvagem" da música. Ele é música.